17 de jun de 2013

Sentido




Sentido


Recolho aqui e acolá

pedaços, nacos, fragmentos

do que um dia fomos.

É um ofício que requer paciência.

Procuro juntá-los,

criar nexos, elos,

montar as peças.

É uma arte, e requer cuidados.

Apanho as partes,

viro-as do avesso,

troco-as de lado e lugar.

Tento entender seus mistérios.

Tiro conclusões:

ora acerto, ora erro,

relevo, volto atrás.

Talvez tudo seja tão mais simples.

Persigo pegadas,

pesquiso, mergulho,

repouso e torno a trilhar.

Somos nós na seiva da história.

Respiro fundo,

recobro a calma

e removo o pó dos tempos

na sede milenar

de um sentido pro viver.


Um comentário:

Mari B. disse...

Bela reflexão!
Gostei muito do poema.
Abraços
Mari