20 de ago de 2012

Vento e distância




Vento e distância

Que vento é esse
que me arrasta
pra outras margens?
De onde ele vem
em sopros de mil distâncias?
– percorre léguas e milhas
varre nuvens e aflições
gritos roucos sortilégios
na noite dos continentes
em galope sincopado
num semear de temporais.

Vento que vem lá de longe
carregando em seu sopro
toda sorte de mazelas
areias e calmarias
o teu cheiro anunciações
e a flor dos capinzais
o desprezo a morte os lampejos
o balanço que rege
angústias rezas suspiros
agonia sina horizontes 
e o mistério desse sangue das canções.



2 comentários:

Anônimo disse...

Olá Meu Amigo.
Quanto tempo vai..?
Estou pasmo... desconhecia este teu lado, este teu canto... e que encanto...
É tarde hoje, volto amanhã... volto depois e depois....
Um grande abraço.
Eugênio Machado.

Marisete Zanon disse...

" E o mistério desse sangue das canções". Uau!