3 de nov de 2011

Tempo de nascer



Tempo de nascer


Se eu nascesse amanhã
na cor de um dia qualquer
(um dia desses
de outono
ou de inverno)
decerto viria
um anjo de asas partidas
com seu terno
desbotado e surrado
sussurrar ao meu ouvido
uma antiga canção
de boas-vindas
com que saúdam-se
os vagabundos
de todas as eras.

Menestréis de esperanças
e quimeras: cantai!
Camponeses e operários,
prostitutas e excluídos,
malditos e rebeldes
de todas as cores
e formas e credos
e raças: uni-vos!
Pintores da intensa aurora:
chegai!
Anunciai os novos cantos,
poetas e loucos
de cada rincão.

Se eu nascesse amanhã,
viria decerto
o anjo vadio
para saudar-me
com seu canto rouco
em qualquer dessas esquinas.

E já não é pra ninguém mais
sequer um mínimo segredo:
sempre é tempo de nascer.





3 comentários:

Anônimo disse...

Anjos de asas partidas,
sussurrar ao meu ouvido
[...]
uma antiga canção
de boas-vindas
com que saúdam-se
os vagabundos
de todas as eras.
Camponeses e operários,
prostitutas e excluídos,
malditos e rebeldes
de todas as cores
e formas e credos
e raças
Anunciai os novos cantos,
poetas e loucos
de cada rincão.

Alviiinho! LINDO, LINDO, LINDO!!!!!
Talvez somente os anjos “imperfeitos”, poetas e loucos sejam capazes de ouvir essa suave melodia que cantam aos camponeses, operários, prostitutas, malditos, rebeldes, independentemente de credos, formas e raças!

Apenas eles podem cantar “um novo canto” e construir um novo homem. PORQUE SEMPRE É TEMPO DE NASCER!

Arrasaste, Alvisss! Ou sai esse livro ou sai, ok? E mulher como eu não gosta de ser “desobedecida", rsrs!

Liiiiido! “juntei” aos outros selecionados: A flor das canções, etc. Super bj! Tê!

Anônimo disse...

ok, Tê, minh auqerida e fiel leitora. beijo do Alvaro

Anônimo disse...

A flor das canções...Aroma..., entre tantos outros poemas... É sempre bom vir aqui e REvisitar teu blog!

Dá pra entender, talvez, porque os poetas têm sempre um anjo por perto!

Lindos!!!!
Bjoka! Tê!