7 de mar de 2010

Neblina na cidade






Neblina na cidade


.
Hoje eu ando pela rua

entre a lua e a neblina

e em meio a tanta sombra

só teu olhar me ilumina.


.
E trafego loucamente

- a alameda escura o beco -

em imagens que essa névoa

engole num trago seco.


.
Hoje eu ando entre avenidas

- a neblina na paisagem -

e me salvas com teus olhos

pra que eu retome a viagem.


.
E trafego loucamente

entre as ruas desse inverno

que vem para derramar-se

- manchar meu tédio e meu terno.
.
.
.

2 comentários:

Tear de Sentidos disse...

Que lindo, Alvaro...! Prefiro nem comentar... A leitura do poema, por si só, me sensibiliza!
Parabéns!
Bj, Tê!

Tear de Sentidos disse...

Oi, Álvaro!
“Desejamos que Cristo ressuscite em nós e na humanidade inocente, frágil e sofrida, um pouco da Sua Luz. E mais: que Ele reanime as nossas melhores capacidades de solidariedade a fim de nos tornarmos instrumentos para a construção de uma vida mais justa e humanitária, com objetivos de reconciliação, harmonia e Paz!
Feliz Páscoa! Cliquem no link e tenham um bom dia!”
Bj, Jana e Tê!
Em tempo: Aproveitamos para lembrar que o Tear está com uma página em construção sobre vida e obra de Chaplin. Todas as contribuições (imagens, textos, resenhas, discussões, comentários, etc.) serão bem-vindos!

http://www.jacquielawson.com/preview.asp?cont=1&hdn=0&pv=3111883&path=83557